Avançar para o conteúdo
HAMID DRAKE’S TURIYA: HONORING ALICE COLTRANE - C.C Vila Flor

HAMID DRAKE’S TURIYA: HONORING ALICE COLTRANE – C.C Vila Flor

BREVE INTRODUÇÃO

Em tempos recentes, tornou-se mais frequente do que no passado ouvirmos diagnósticos de uma crise de espiritualidade no mundo ocidental; hoje, em muitos níveis, essa mesma crise parece, independentemente das causas que lhe possamos atribuir, plenamente instalada e evidente. Ao mesmo tempo, porém, como habitualmente acontece em fenómenos desta natureza, assistimos em paralelo nas diversas dimensões do mundo contemporâneo a um contramovimento de retorno a uma procura de significados mais profundos do que os que governam o mundo do não-transcendente. O facto de o legado musical de Alice Coltrane ter permanecido no nosso imaginário coletivo e ser hoje mais admirada e ouvida do que no seu próprio tempo talvez seja um dos sintomas dessa necessidade de reencontro com uma arte aspirante a patamares elevados de consciência. É, por isso, com júbilo que apresentamos nesta edição do Guimarães Jazz o espetáculo “Turiya: Honoring Alice Coltrane”, conceptualizado e liderado pelo notável percussionista e improvisador Hamid Drake, praticante de uma música espiritual em plena sintonia com o espírito da grande harpista norte-americana que, em sincronia com o seu companheiro de vida e de criação artística John Coltrane, contribuiu decisivamente para moldar o jazz nas suas vidas posteriores.
Ao fim de quase cinquenta de anos de intensa atividade criativa, Hamid Drake é atualmente considerado um dos mais importantes músicos de jazz e improvisadores da música contemporânea, um estatuto que alcançou em virtude não apenas do seu extraordinário virtuosismo técnico mas também de uma identidade musical, ao mesmo tempo intelectualmente sofisticada e espiritual, em que o groove e a polirritmia convivem em coexistência pacífica. Na base desta identidade original estão os princípios matriciais (estéticos e éticos) do free jazz, o seu meio de expressão original e do qual é considerado um dos mais distintos seguidores, expandidos e sublimados pela incorporação de elementos de inúmeras proveniências musicais e culturais (percussão afro-cubana, música indiana, reggae, entre outras).  Hamid Drake iniciou o seu percurso na música influenciado pelos seus mentores iniciais, Fred Anderson e Don Cherry, que o apresentaram ao circuito jazzístico de Chicago, cidade que durante esse período era energizada pelos músicos envolvidos na revolucionária AACM. Desde então, o baterista e percussionista tem construído um percurso criativo notável materializado numa discografia extensa e numa atividade praticamente incessante de colaboração com alguns dos nomes mais importantes do jazz contemporâneo, desde figuras históricas como Pharoah Sanders e Archie Shepp, até nomes cruciais da paisagem musical pós-milenar como Ken Vandermark ou a banda de John Zorn, Painkiller. De entre todas as manifestações de uma obra diversificada e desafiante, devemos, no entanto, destacar as relações de longo-curso e cumplicidade artística de Drake com o contrabaixista William Parker, o saxofonista Peter Brötzmann, o baterista Michael Zerang, com quem desde 1991 organiza um concerto anual de celebração do solstício de inverno e, mais recentemente, com o trio de rock avant-garde Mako Sica. A homenagem de Hamid Drake à música de Alice Coltrane, consubstanciada em sessões mágicas como as captadas no álbum “Journey in Satchidananda” ou “Universal Conscience”, envolve um ensemble instrumentalmente invulgar e eclético composto por músicos europeus e norte-americanos, expandido pelo contributo performático da dançarina Ndoho Ange. Neste espetáculo, em que se consuma o encontro entre dois exploradores importantes da dimensão interior da música e suas potencialidades espiritualmente transformativas, espera-se a transfiguração da música de uma artista imortal através dos sons imaginados, necessariamente diferentes dos originais, por um grupo de músicos que generosamente se dispõe a ser um dos seus veículos de perpetuação no tempo.

FICHA ARTÍSTICA

Ndoho Ange dança, spoken words
Sheila Maurice-Grey trompete, vocais
Jan Bang eletrónicas
Jamie Saft piano, teclado, fender rhodes
Pasquale Mirra vibrafone, percussões
Joshua Abrams contrabaixo, guembri
Hamid Drake bateria, percussão, vocais

Data

12 Nov 2022
Desde

Hora

21:30

Comprar

Bilhetes

Localização

Centro Cultural Vila Flor
Av. Dom Afonso Henriques 701, 4810-431 Guimarães

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *